O MONTADO

A paisagem do Freixo do Meio

A paisagem do Freixo do Meio é representativa da grande diversidade de vivências do projeto bem como da interação com os sistemas naturais, com o foco no que o Homem precisa e não apenas do que se pode vender, através de uma utilização dos recursos definida por limites e regras.
Paisagem - Pedra Alta

A paisagem do Freixo do Meio é representativa da grande diversidade de vivências do projeto bem como da interação com os sistemas naturais, com o foco no que o Homem precisa e não apenas do que se pode vender, através de uma utilização dos recursos definida por limites e regras.

A transformação do Bosque Mediterrânico, caraterístico desta bio-região, remonta ao Neolítico e foi, até à Idade Média, intervencionada no contexto de uma ética relativa à forma como o ser humano se relacionava com a natureza.

Foram aquelas primeiras comunidades do Neolítico, que integrando o pastoreio e a agricultura no trio do fogo, caça e recoleção, que criaram e desenvolveram, no nosso entender, o conceito original do Montado.

De diferentes formas e em diferentes épocas, as diversas culturas que passaram por esta área, moldaram a floresta mediterrânea, consolidando-a na Idade Média no sistema Montado, enquanto modelo agro-silvo-pastoril de uso múltiplo. Segundo Ana Fonseca (data, página) “ocorre de uma substituição de equilíbrios naturais por outros mediados pelo homem mais ou menos instáveis, mas que souberam respeitar os limites do sistema natural”.

Refere, igualmente, que “o sistema do Montado influenciou definitivamente a comunidade humana que o criou” não apenas nas profissões, normas e práticas, mas também na sua forma de estar. O mesmo que dizer, na sua ética. Estas pequenas comunidades viviam para si, para o coletivo e para as próximas gerações e não apenas para o indivíduo.

Harmonia e abundância ao ritmo da natureza caraterizaram a utilização dos montes e bosques, nomeadamente do aproveitamento silvo-pastoril e também de madeira, de utensílios, matos, frutos (como a bolota, entre muitos outros), caça, bem como das águas dos moinhos e das pesqueiras que nelas se instalavam.

É esse momento da História que vem inspirando o atual projeto do Freixo do Meio e que constitui a marca da sua paisagem, em circunstâncias que, no seu início, espelhavam ainda os efeitos das campanhas do trigo do princípio do século XX e o contexto do final desse mesmo século, da subjugação do sector agrícola ao sector industrial.

Esta paisagem assume hoje, passados quase 30 anos, o caráter singular resultante de uma gestão sustentável, com uma forte componente social em quase 600ha cobertos por diferentes abordagens em torno do Montado. É a paisagem de um projeto composto por pessoas, por uma grande diversidade de seres vivos e seus ecossistemas, por cultura, tradições, experiências e inspirações que herda uma longa história de gestão em torno do principal ecossistema seminatural e da paisagem do sul de Portugal: o Montado.

Foi o retorno à prática agroecológica que permitiu a recuperação do solo e o restabelecimento dos diferentes estratos do sistema (arbóreo, arbustivo e herbáceo), cujo processo de conversão terminou em 2001, com toda a propriedade e os seus produtos certificados em modo de produção biológico.

Corresponde à visão da agricultura adotada, associada à forma como nos relacionamos com o lugar que habitamos e à necessária atitude (ética) do homem da Idade do Ouro, designada por Agroecologia.

Gradualmente, o projeto estruturou-se num conceito multifuncional de paisagem, integrando atividades silvícolas, agrícolas e pecuárias, frutícolas, hortícolas, de transformação e distribuição alimentar, de retalho alimentar, de serviços ambientais, de produção de energia, de investigação e de serviços turístico-didáticos.

A macroestrutura desta paisagem corresponde à que constitui a proposta, de 2020, de criação de uma Área Protegida Privada do Montado do Freixo do Meio.

Integra uma “Área de Conservação”, formada por 85ha de agroecossistema de Montado, com projetos de regeneração dos diferentes habitats ecológicos, o Rio Almansor, o Parque Neolítico Monte das Pedras, Arrifes, Pinhal do Zambujeiro e Ribeira do Zambujeiro, cuja galeria ripícola de salgueiros (Salix sp.) e choupos (Populus nigra) no rio Almansor, constituí um importante corredor ecológico nesta região. Integra um riquíssimo mosaico de espécies animais e vegetais nativas, como o gato bravo, a lontra, o amieiro, o carvalho cerquinho ou mista, o medronheiro e o orégão.

A “Área de Montado” corresponde à suave planície que medeia a margem direita do Rio Almansor e a linha de festo do Mosqueiro, coberta por sobreiros e azinheiras.

A “Área de Inovação” cobre 100ha do extremo norte, que no início do século passado foram arroteados, ou seja, cortadas todas as árvores em solos que haviam sido enriquecidos por anos de agrofloresta de Montado, que foram então esgotados. É onde se desenvolvem hoje diversos projetos experimentais de arborização. Os afloramentos rochosos, alguns dos quais, como no caso da Pedra Alta, servem de miradouros, associam-se aos habitats de matos termo mediterrânicos pré-desérticos.

Destacam-se, ainda, nesta paisagem elementos de valor arqueológico como o santuário da Pedra Alta, povoado Neolítico do Freixo do Meio, menir com covinhas do Freixo do Meio, e outros vestígios arqueológicos atualmente em estudo.

 
 
 
PARTILHE
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn